Tarot dos Arquétipos Junguianos - Um Tarô de 5 Cartas

Definição do Arquétipo Junguiano

Você pode ter ouvido a palavra arquétipo sendo usada em conversas antes; geralmente significa um símbolo recorrente ou um tipo de modelo que podemos usar como exemplo de algo que é muito mais complexo. Mas quando se trata de psicologia, há um significado e conceito muito mais específico a que se refere. Carl Jung foi um psiquiatra e psicanalista suíço que é considerado um dos fundadores da psicologia analítica e também quem desenvolveu a teoria dos arquétipos por meio de seu trabalho. Quando se trata da psicologia junguiana, os arquétipos são certos modelos de caráter ou comportamento que nós (às vezes inconscientemente) usamos para moldar nossas próprias personalidades.

Arquétipos e o inconsciente coletivo

O próprio Carl Jung, que classificou a psique humana como tendo três partes: o ego, o inconsciente pessoal e o inconsciente coletivo, descreveu os arquétipos como sendo elementos altamente desenvolvidos de algo conhecido como inconsciente coletivo. O inconsciente coletivo é o que Jung chamou de conhecimento e experiências que compartilhamos como espécie, uma espécie de eco de informações através das gerações. Ele acreditava que personagens míticos universais residem no inconsciente coletivo de pessoas em todo o mundo e que esses arquétipos têm um impacto em como vivemos nossas vidas.

Há muito debate sobre quantos arquétipos existem, mas o consenso mais comum é que existem doze arquétipos principais. Dito isso, aqui vamos discutir apenas cinco dos mais conhecidos: Persona, Shadow, Anima, Animus e Self.

Se você está procurando ler mais sobre o arquétipos junguianos que existem no tarô e nos arcanos maiores, escrevemos um artigo inteiro sobre isso aqui!

Cinco Arquétipos Junguianos Comuns

Pessoa arquetípica

Uma persona se refere ao rosto público de uma pessoa, a imagem de si mesma que ela apresenta ao mundo. O próprio Carl Jung descreve a Persona como “uma espécie de máscara, concebida por um lado para causar uma impressão definitiva nos outros e, por outro, para ocultar a verdadeira natureza do indivíduo”. Acredita-se que cada pessoa tem pelo menos uma persona, baseada em vários arquétipos ou composta de qualidades influenciadas por papéis sociais.

Shadow Archetype

Uma sombra é composta pelas características negativas de uma pessoa ou, pelo menos, pelos aspectos de nós mesmos que consideramos negativos. Este é o lado de uma pessoa que ela hesita em mostrar ao resto do mundo porque tem vergonha dessas qualidades negativas e deseja mantê-las escondidas. Uma sombra também pode incluir ideias reprimidas ou aspectos de sua personalidade que você não deseja reconhecer.



Arquétipo de Anima

Este arquétipo representa as características femininas nos homens (a alternativa, Animus, refere-se às características masculinas nas mulheres). Anima representa aspectos da personalidade que podem ser considerados por muitos como tradicionalmente femininos, como a empatia. Embora traços como esses sejam indiscutivelmente parte de nossas personalidades como um todo, certas qualidades são frequentemente omitidas da Persona de uma pessoa, especialmente se ela estiver tentando projetar uma fachada masculina para o mundo. Jung também teorizou que existem quatro níveis de desenvolvimento do Anima; ele chamou esses níveis de Eva, Helena, Maria e Sofia.

Arquétipo da Mente

Este arquétipo representa as características masculinas nas mulheres. O Animus pode ser representado por qualidades tradicionalmente masculinas, como assertividade, coragem, vitalidade e força.

Auto-arquétipo

De acordo com a psicologia junguiana, o Self é o produto realizado da integração de todos os aspectos de sua personalidade; significa a unificação da consciência e inconsciência de uma pessoa.

Como usar este Tarot dos Arquétipos Junguianos - Um Tarô de 5 Cartas

Naturalmente, desde que estivemos explorando aspectos e teorias da psicologia aqui no Alvor, parecia simples e óbvio o suficiente para transformar esses conceitos em um spread que você pode usar.

Acho que a propagação do tarô é particularmente útil quando estou tentando tomar decisões difíceis - e há tantas vozes e abordagens diferentes em minha mente. Às vezes, ajuda a esclarecer os pontos de vista que esses aspectos de mim mesmo estão tentando dizer. Por exemplo, se estou tentando decidir se devo abrir um novo negócio, meu arquétipo da Persona pode ficar nervoso sobre como serei visto. Meu arquétipo do self pode ficar muito feliz e saber que é a coisa certa a fazer. Meu arquétipo do Animus pode estar preocupado com os aspectos mais práticos de toda a situação. E assim por diante. É sobre descobrir todas as maneiras como podemos olhar para algo, antes de dar uma resposta final que faça mais sentido para nós.

  1. Pessoa - Como estou sendo percebido? Como o que os outros pensam de mim afeta a situação?
  2. Sombra - Do que tenho vergonha? O que eu quero esconder e não reconhecer?
  3. Anima - O que meu divino feminino está dizendo? Se estivesse pensando apenas na minha felicidade, o que eu faria?
  4. A mente - O que meu divino masculino está dizendo? O que devo considerar? Quais são minhas viagens ou minhas funções?
  5. Auto - O que meu coração quer? Quais são meus verdadeiros desejos?

Arquétipos Junguianos, Diagrama de Propagação do Tarô de 5 Cartas

Tarot dos Arquétipos Junguianos - Um Tarô de 5 Cartas